ESCOLHA DE DIRIGENTES – Campus Amajari tem uma candidata a diretor-geral

por Rebeca publicado 13/08/2020 10h45, última modificação 17/08/2020 13h58
A unidade vem com a professora Pier Cunha como candidata única ao cargo

O Instituto Federal de Roraima (IFRR) está em processo de escolha dos dirigentes para o quadriênio biênio 2020-2024, e uma das unidades que passa pela consulta é o Campus Amajari, localizado no Município do Amajari, distante 155 km da Capital. A unidade tem uma candidata ao cargo de diretor-geral, a professora Pierlangela Nascimento da Cunha.

Além de uma breve apresentação da candidata, em que consta o link para acesso ao seu currículo Lattes, os interessados poderão, acessando o link ao final da matéria para conhecer o respectivo Plano de Ação. Ou seja, vão poder ler a proposta de gestão da candidata para os próximos quatro anos à frente do CAM.

 Pier, como é conhecida, é da etnia wapichana. Nasceu na Comunidade indígena Barata, Município de Alto Alegre. Tem Licenciatura Intercultural pela Universidade Federal de Roraima e Mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia pela Ufam. Em 2014, iniciou a carreira como professora EBTT no Campus Amajari. Além de atuar como docente, assumiu a coordenação do Programa Mulheres Mil/Pronatec e, desde 2016, está na Direção de Ensino, de onde se afastou para sair candidata.  Link do Lattes da professora: http://lattes.cnpq.br/6545162096582324.

HISTÓRICO DO CAM

Localizado no norte de Roraima, o Campus Amajari iniciou suas atividades pedagógicas em 2010, nas dependências da Escola Estadual Ovídio Dias, em três salas de aula cedidas. Paralelo às aulas no espaço cedido, iniciou a construção da sede própria, com o lançamento da pedra fundamental no dia 22 de maio de 2010. A inauguração do prédio ocorreu no dia 28 de agosto de 2012, durante as comemorações dos 19 anos do IFRR. A escola foi planejada para atender 1.200 alunos, 60 servidores técnicos e 70 professores.

Para o processo de consulta de dirigentes 2020-2024, o CAM tem 313 eleitores inicialmente aptos a votar, sendo 34 professores, 39 técnicos administrativos e 240 estudantes. Os números exatos serão conhecidos no dia 24 de agosto, quando as comissões eleitorais vão divulgar a lista oficial de eleitores aptos a votar.

No CAM, o primeiro curso ofertado foi o Técnico em Agricultura subsequente ao ensino médio.  No ano de 2011, ofertou a primeira turma na modalidade de concomitância, por meio de um convênio com as escolas estaduais indígenas. Já em 2012 foram ofertadas as primeiras turmas do curso Técnico em Agricultura na modalidade integrado ao ensino médio, com 140 vagas, sendo 70 para a primeira turma em regime de alternância da unidade.

No ano seguinte, em 2013, o CAM ofertou o curso Técnico em Agropecuária integrado ao ensino médio e subsequente, e, pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec),  os cursos de capacitação de Apicultor, Auxiliar Administrativo e Operador de Computador.

Em novembro de 2014, a unidade passou a oferecer o curso Técnico em Aquicultura, tendo colocado no mercado de trabalho até dezembro de 2020, 67 profissionais aptos a contribuir para a atividade produtiva no estado. Em fevereiro de 2016 foi lançado o primeiro vestibular para o curso superior de Tecnologia em Aquicultura. A primeira turma de tecnólogos formou-se em dezembro de 2020.

Umas das características da escola é ter mais de 50% dos alunos autodeclarados indígenas. Em 2017, formou quatro alunos indígenas da etnia ingaricó, o que é considerado um grande marco para a instituição, que tem como missão promover formação integral, articulando ensino, pesquisa e extensão em consonância com os arranjos produtivos locais (APLs), sociais e culturais, contribuindo para o desenvolvimento sustentável.

Dentro dessa premissa, aliando a visão e os valores institucionais, de ser referência como instituição de formação profissional e tecnológica, o IFRR/CAM iniciou o ano letivo de 2017 com mais uma turma de alternância do curso Técnico em Agropecuária integrado ao ensino médio, desta vez exclusiva para 30 alunos indígenas com até 17 anos oriundos de comunidades do entorno do Contão, na Terra Indígena Raposa-Serra do Sol. A formatura da primeira turma exclusivamente indígena ocorreu em dezembro de 2019.

 
 
 
Ascom/Reitoria
Rebeca Lopes
11/8/2020

CGP