Comunidade indígena faz primeira despesca de projeto desenvolvido com ajuda do Campus Amajari

por Rebeca publicado 05/06/2020 10h44, última modificação 05/06/2020 10h44
IFRR fez a capacitação e deu assistência técnica aos jovens do projeto de piscicultura da Tabalascada

Desenvolvido com o apoio de professores e estudantes do curso superior de Tecnologia em Aquicultura do Campus Amajari (CAM) do Instituto Federal de Roraima (IFRR), que doou alevinos, fez a capacitação e deu a assistência técnica, o projeto de piscicultura desenvolvido por jovens da Comunidade Indígena Tabalascada, Município do Cantá, realizou a primeira despesca. A ação ocorreu no fim de maio.

Foram retirados 78 kg de tambaqui, dos quais 38,500 kg foram distribuídos entre 12 pessoas com participação no projeto desde o início (agosto de 2019), e o restante destinado à comercialização. Conforme a coordenadora da Juventude da Comunidade Tabalascada, Raquel Viana, o dinheiro arrecadado vai servir para comprar materiais para as próximas despescas, como balança digital, sacolas e caixa de isopor.

A comunidade está localizada na região da Serra da Lua, tendo as etnias wapichana e macuxi como ocupantes da terra. O local fica distante aproximadamente 25 km da capital, Boa Vista, e 5 km da sede do Município do Cantá. A importância do projeto é destacada por Raquel como uma ação que contribui tanto para a economia local quanto para o desenvolvimento sustentável da comunidade.

“E também ajuda a mudar a visão da juventude. Essa parceria com Instituto Federal (Campus Amajari) nos ajuda com os conhecimentos técnicos dos professores, e esse acompanhamento é de suma importância para jovens empreendedores iniciantes”, disse a coordenadora.

A ação em parceria deu tão certo, que hoje são dez comunidades indígenas interessadas em desenvolver ações de piscicultura em suas comunidades com o apoio do Campus Amajari. Passado o período da pandemia, que suspendeu todas as atividades no âmbito do IFRR e que fez aumentar o controle de entrada e saída das comunidades indígenas, a equipe do campus retorna às visitas.

De acordo com a diretora de Ensino do CAM, Pierlangela Cunha, depois da pandemia as atividades deverão ser retomadas. Ainda assim, os professores continuaram repassando e tirando dúvidas por aplicativo de mensagens. Ela destaca que essa parceria com a Tabalascada faz parte de uma ação inicial resultante da demanda de jovens indígenas que se interessaram pelas ações desenvolvidas pelo curso quando estavam visitando outra comunidade.

“É um projeto piloto com a juventude da Comunidade Tabalascada, que soube das ações do nosso curso superior na Comunidade do Araçá. Depois disso, o grupo fez uma visita ao campus para conhecer nossos cursos e saber como a gente poderia contribuir para o projeto que eles (jovens) estavam querendo desenvolver dentro da comunidade. E agora estamos trabalhando para levar essa iniciativa para outras comunidades, por iniciativa delas”, disse Pierlangela.

Além dos professores dos cursos técnicos e do superior de Aquicultura Lucas Eduardo Comassetto, Marianna Cabral Torres e Marcelo Figueira Pontes, que fizeram a formação e prestaram assistência técnica, as ações na comunidade também envolveram alunos do curso superior e a doação de alevinos. “Nossos alunos participaram com orientações e palestras para o desenvolvimento do projeto”, comentou a diretora.

Essa ação de apoio às comunidades vai ao encontro da missão institucional do IFRR, que é promover a formação humana integral, por meio da educação, ciência e tecnologia, em consonância com os arranjos produtivos locais, socioeconômicos e culturais, contribuindo para o desenvolvimento sustentável.

 

Ascom/Reitoria
Texto: Rebeca Lopes
Fotos: Divulgação
5/6/2020

 

CGP