Jovens do ensino médio da Vila do Trairão apresentam ideias de negócios

por Rebeca publicado 12/12/2019 12h30, última modificação 12/12/2019 12h34
O grupo de alunas montou o “Café das Meninas”. Elas compraram e customizaram uma bicicleta para vender produtos no horário oposto às aulas

Entre os quatro projetos com ideias empreendedoras apresentados por estudantes de 15 a 20 anos do ensino médio da Escola Estadual Francisco Pereira da Silva, na Vila do Trairão (Amajari), durante a primeira Feira do Empreendedor do Trairão, um já saiu do papel. Trata-se do “Café das Meninas”.

Antes mesmo do encerramento das atividades do projeto “Jovem Empreendedor: Trairão e suas potencialidades”, desenvolvido, às quartas-feiras, pelo Campus Amajari, por meio do Programa Institucional Bolsa de Extensão Acadêmica (Pbaex) do Instituto Federal de Roraima, o grupo de alunas resolveu colocar a mão na massa.

O grupo se uniu para comprar uma bicicleta para personalizá-la e vender café da manhã no horário oposto às aulas. O investimento para deixar o instrumento de trabalho do jeito que elas queriam ficou em torno de R$ 600,00 – valor que ainda estão pagando. E agora, devidamente uniformizadas, também aproveitaram a praça recém-inaugurada para oferecer produtos como bolo simples e com cobertura, café, suco e salgado.

Uma das participantes do “Café das Meninas” é Hebeca Kauita Cabral Lima, 16, que é jovem aprendiz, ou seja, já trabalha, como faz questão de enfatizar. Ela explica como foi o aprendizado e tirar do papel uma ideia gestada por meninas tão jovens. “Proporcionou muitas coisas, como despertar o lado empreendedor, ajudar dentro da empresa em que eu trabalho e adotar uma postura de organização”, disse.

Hebeca afirma que antes do curso imaginava que ser empreendedor era só criar um negócio e ser empresário, mas aprendeu que também é ter organização, conhecer limites, ter metas, cumprir planejamento. “Antes, eu não tinha noção do que eu era capaz. Desconhecia o lado empreendedor que eu tinha. Dentro (projeto) fui descobrindo aos poucos que eu poderia aprimorar mais. Vamos dar continuidade ao projeto e queremos ver até onde podemos ir”, contou.

EXTENSÃO – Cada um dos quatro projetos com ideias empreendedoras foi escolhido pelos seus membros e incentivado pelos professores do curso. Dentro do empreendedorismo, tem o social, com atividades sem fins lucrativos. Nesse sentido, surgiu a ideia da zumba, visando proporcionar atividades de lazer para moradores, em especial os jovens, levando-as à praça. A ideia está bem trabalhada e pronta para ser iniciada a qualquer momento.

Pelo fato de o Trairão ficar próximo à Serra do Tepequém, um dos pontos turísticos de Roraima muito procurado, um grupo de alunos trabalhou no plano de negócios “Trairão Tur”. O plano sugere explorar essa proximidade com o ponto turístico e fazer do Trairão um ponto atrativo. No entanto, o projeto exige investimentos governamentais de infraestrutura, como estradas, pontes, urbanização, comunicação e energia.

Por último, embora não tenha sido apresentado, mas foi desenvolvido o projeto “Horta na Escola”, pensado para ser implantado no espaço da escola estadual, pois traria como benefícios o consumo de alimentos naturais pelos alunos, atividades ligadas à culinária na escola, inserção de assuntos como economia doméstica, influência nas escolhas alimentares das crianças.

Para tirar a ideia do papel, foi pensando em pedir, futuramente, o apoio do curso Técnico em Agropecuária do CAM na montagem da horta, disse a aluna do Campus Amajari Izabella Félix da Silva, 16, moradora do Trairão, bolsista do Programa de Bolsa Acadêmica de Extensão (Pbaex) e idealizadora do projeto que chegou à Vila do Trairão.

PROGRAMA – O Pbaex oferece aos estudantes uma bolsa mensal de R$ 400, com vigência de seis meses, para que as atividades do projeto sejam realizadas na comunidade local. Em 2019 foram oferecidas 50 bolsas para toda a instituição. Dessas, 19 foram de projetos oriundos do Campus Amajari. Durante a Feira do Empreendedor também foram apresentados os projetos de zumba, banda de música e composição musical. Além disso, alunos da Educação a Distância do polo Amajari venderam a geleia com pimenta.

 

 
Ascom/Reitoria
Rebeca Lopes
Fotos: Nenzinho Soares/IFRR
12/12/19
 

CGP