Campus do IFRR pode ganhar laboratórios de aquicultura

por Rebeca publicado 11/02/2019 16h05, última modificação 12/02/2019 08h07
O diretor-geral do CAM, George Sterfson Barros, com diretores e coordenadores de cursos, esteve reunido, na última sexta-feira, dia 8, com o deputado federal Édio Lopes e comitiva

O diretor-geral do Campus Amajari (CAM), George Sterfson Barros, com diretores e coordenadores de cursos, esteve reunido, na última sexta-feira, dia 8, com o deputado federal Édio Lopes e comitiva. Essa foi a primeira visita do parlamentar à unidade de ensino, que conta com quase 400 alunos presenciais e mais de 300 na modalidade de Educação a Distância.

Durante o encontro, o diretor-geral falou das principais demandas do campus para melhorar a prática pedagógica de estudantes dos cursos técnicos e tecnológico. Apresentou proposta de construção de laboratório de piscicultura contendo tanques para matrizes e alevinos, bem como de poço artesiano profundo e de instalação de laboratório para análise de água e reprodução de peixes.

“O deputado Édio tem ajudado projetos da área de piscicultura. Ele nos pediu para lhe encaminharmos os projetos nesta semana, que ele vai nos ajudar a construir um laboratório melhor. Também nos prometeu ajuda com emenda para construção do poço artesiano, uma necessidade urgente para a escola. Ficamos muito felizes em saber que poderemos melhorar o processo de ensino-aprendizagem dos nossos alunos”, disse Sterfson.

Com pouco mais de quatro anos de funcionamento, o curso Técnico em Aquicultura e o superior de Tecnologia em Aquicultura do CAM, implantado em 2016, têm quase 150 alunos matriculados. O laboratório vai beneficiar produtores rurais e comunidades indígenas com alevinos, assistência técnica e capacitações nessa área.

As práticas pedagógicas dos cursos caminham para que a escola implante um laboratório de propagação artificial de peixe, que consiste na oferta gratuita de alevinos para a agricultura familiar. Hoje o CAM tem um laboratório improvisado de aquicultura que conta com viveiros de peixes e incubadoras de ovos e larvas.

Para que seja implantado o projeto de reprodução de alevinos em grande escala para atender os pequenos produtores, o campus já dispõe de um sistema de recirculação de água, resultado de um projeto de pesquisa de energia renovável. Só essa iniciativa alivia a preocupação com o recurso que, a cada ano, se torna mais escasso, principalmente no verão: a água.

Muito embora passos importantes para a implantação desse projeto tenham sido dados, ainda se precisa de uma instalação mínima, como galpão com estrutura metálica e alguns ambientes operacionais. Desde a implantação do curso superior, a escola tem buscado parcerias para tirar do papel essa iniciativa, que terá grande impacto na qualidade de vida de muitas famílias e na economia do município.

 

Rebeca Lopes
Ascom/Reitoria
11/2/19

CGP