Campus Amajari faz sarau em homenagem ao Dia Internacional da Mulher

por Rebeca publicado 13/03/2020 14h48, última modificação 13/03/2020 14h48
Durante o evento foram apresentadas estatísticas da violência contra a mulher na intenção de alertar para o problema. O sarau ficou por conta dos alunos do CAM, que fizeram apresentação de dança, música, poesia, teatro, tudo envolvendo temas relacionados à mulher. A professora Joelma Fernandes, doutora em Educação, palestrou sobre a “Mulher na ciência”.

O Campus Amajari do Instituto Federal de Roraima preparou programação especial em homenagem às servidoras, às alunas e às terceirizadas da unidade. A programação, organizada pela Coordenação de Assistência Estudantil (Caes) e pela Comissão Interna de Saúde e Segurança do Servidor Público (Cissp), também serviu para demonstrar a luta das mulheres pelos seus direitos. O evento ocorreu das 14h às 15h30, nesta quinta-feira, 12, na biblioteca da unidade.

Durante o evento foram apresentadas estatísticas da violência contra a mulher na intenção de alertar para o problema. O sarau ficou por conta dos alunos do CAM, que fizeram apresentação de dança, música, poesia, teatro, tudo envolvendo temas relacionados à mulher. A professora Joelma Fernandes, doutora em Educação, palestrou sobre a “Mulher na ciência”.

Um mural em homenagem às servidoras foi disponibilizado no espaço da biblioteca. Para cada uma, a organização do evento pediu que respondessem às perguntas “Que mulher eu me tornei?” e “Como você se define hoje com todas as experiências que já viveu?”.  As respostas, acompanhadas de fotografia, foram impressas e formaram o mural, que ficará disponível durante o mês de março.

Conforme o coordenador da Caes, Francisco Nascimento Moura, durante o sarau foram lidas mensagens enviadas pelas servidoras. “Foi um momento para mostrar às meninas as mulheres que estão próximas delas e que são tidas como referência. As mensagens eram lidas justamente para mostrar que elas [alunas] também são capazes de se tornarem mulheres fortes, vencedoras e de sucesso”, disse.

Outro ponto da programação foram os cartazes, fixados no corredor de acesso à biblioteca, abordando temas como violência contra a mulher, feminicídio e desigualdade de gênero. Segundo Moura, eles foram produzidos pelos alunos dos alojamentos, tanto do feminino quanto do masculino.

A professora Mariana Torres classificou o evento como muito emocionante, pois mostrou o desempenho de cada aluno nas apresentações. “Conseguiram mostrar como é a luta diária da mulher, seja em casa, no trabalho, e nos fazer refletir como somos especiais e fortes. Parabenizo a organização pelo envolvimento dos alunos na atividade, porque, a partir daí, eles começam a compreender sobre o ser mulher, o quanto a gente é importante dentro de uma sociedade, e que nossas futuras irmãs, mulheres, que venham nas próximas gerações, possam usufruir seus direitos mais dignamente”, disse.

 

Ascom/Reitoria
Rebeca Lopes
Fotos: Nenzinho Soares e Lucas Lima
13/3/2020
 

CGP