Alunos visitam comunidade indígena de Pacaraima

por Rebeca Lopes Silva publicado 06/05/2016 15h35, última modificação 09/05/2016 14h19
Como parte da programação da Semana do Índio, adiada por falta de energia elétrica na segunda quinzena de abril, alunos do Campus Amajari do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Roraima fazem, nesta sexta-feira, dia 6, a segunda visita à Comunidade Indígena da Boca da Mata, Município de Pacaraima
Alunos visitam comunidade indígena de Pacaraima

A Pedra Pintada será o próximo destino dos alunos

Como parte da programação da Semana do Índio, adiada por falta de energia elétrica na segunda quinzena de abril, alunos do Campus Amajari do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Roraima fazem, nesta sexta-feira, dia 6, a segunda visita à Comunidade Indígena da Boca da Mata, no Município de Pacaraima.

Além dessa atividade, no período de 9 a 12 de maio, estudantes de quatro turmas visitam o sítio arqueológico Pedra Pintada, que tem 35 metros de altura e uma caverna onde foram achados objetos relacionados à cultura indígena. Os dois locais ficam na Terra Indígena São Marcos, demarcada pelo Decreto 312, de 29/10/1991.

De acordo com o organizador da programação, Marcos Antônio de Oliveira, a visita à Pedra Pintada terá a companhia de um arqueólogo do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), órgão vinculado ao Ministério da Cultura.

A semana termina dia 13, a partir das 14h, na área de convivência do campus, quando o escritor e servidor do IFRR/CAM Ricardo Dantas comentará sua obra indigenista Meia Pata, que faz parte dos livros exigidos para o vestibular da Universidade Federal de Roraima. Outra atração será o artista plástico indígena Jaider Esbell.

Segundo Oliveira, o objetivo da programação é apresentar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro, bem como aspectos socioculturais de outros povos e nações, evitando qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classe, de crenças, de etnia, ou em outras características individuais e sociais.

 “Todas as atividades têm o objetivo de valorizar e estimular o respeito à cultura e ao universo indígena, possibilitando que os alunos, que são em sua maioria de origem indígena, sintam orgulho de sua etnia e ascendência", disse o professor, enfatizando que as atividades buscam cumprir o que determina a Lei 11.645/2008, que estimula a valorização da cultura indígena.

 

 

Rebeca Lopes

IFRR/CCS/CAM

6/5/16