TURISMO – “É o curso pelo qual tenho imenso carinho, pois tudo o que nele aprendi aplico diariamente em minhas atividades”, diz egresso do IFRR

por Virginia publicado 08/05/2019 14h25, última modificação 08/05/2019 15h55
Profissionais formados pelo Campus Boa Vista do IFRR relatam como se destacam no mercado roraimense

Na data em que se comemora o Dia Nacional do Turismo, 8 de maio, o Campus Boa Vista do Instituto Federal de Roraima (CBV-IFRR) destaca dois casos de sucesso de ex-alunos que atuam no turismo em Roraima. Polyana Gomes da Silva e Hélio Zanona Neto concluíram o curso superior de Tecnologia em Gestão de Turismo (TGT), em 2006 e 2014, respectivamente, e contam o que é preciso para que o profissional dessa área  seja absorvido pelo mercado roraimense.

Para o tecnólogo em gestão de turismo Hélio Zanona Neto, proprietário da Makunaima Expedições, o mercado hoje não tem oferta de vagas para absorver a quantidade de profissionais que se formam no setor, mas o perfil empreendedor fomentado pela instituição representa um diferencial. “O reduzido número de vagas se dá por vários motivos. Destaco como principais a informalidade e a desregulamentação da atividade. Porém, isso não significa que o profissional necessariamente ficará desempregado. Para entrar no mercado, ele deve ter a iniciativa de buscar ser o melhor e se mostrar necessário. No cenário de hoje, ficar esperando abrir vaga em empresa ou algum concurso público é perda de tempo. A vantagem dessa desregulamentação no setor é a liberdade que se tem para a criação de novas alternativas, sair da mesmice, criar condições de se sustentar e, ainda mais, gerar condições de empregar colegas de profissão. É preciso agir e pensar mais à frente. Não sairemos da mesmice se continuarmos com o mesmo pensamento. Ninguém vai fazer nada por você e é preciso aceitar isso”, aconselhou Zanona.

Sobre a qualidade do curso ofertado pela instituição, o egresso enfatiza tanto a formação técnica como a superior. “Sou muito grato por ter tido tantas oportunidades e por tê-las aproveitado de forma substancial por meio do ensino público. Fiz o ensino médio na antiga Escola Técnica Federal, logo ingressei no curso Técnico em Turismo, à época do Cefet, e, mal terminei o técnico, passei no vestibular para a primeira turma do curso superior de Tecnologia em Turismo. Recentemente, concluí a pós-graduação em Planejamento e Gestão de Empreendimentos e Destinos Turísticos Sustentáveis. Porém, o curso que me projetou para o mercado foi o técnico. É o curso pelo qual tenho imenso carinho, pois tudo o que nele aprendi aplico diariamente em minhas atividades. Gostaria muito que mais pessoas tivessem a oportunidade que eu e meus colegas tivemos”, finalizou.

Assim como Zanona, Polyana Gomes da Silva, assessora da Coordenação de Turismo da Secretaria de Cultura, Turismo, Esporte e Lazer da Prefeitura Municipal do Cantá, declara que, apesar de o mercado já absorver boa parte dos profissionais, ainda faltam postos de trabalho diante do número de profissionais formados. “Aos poucos, o mercado vem abrindo novas vagas, no entanto ainda é muito restrito. Há a necessidade de as esferas governamentais se sensibilizarem no sentido de que os cargos e as funções possam ser ocupadas por profissionais qualificados e, assim, estes possam contribuir para o desenvolvimento do turismo no estado. Atuo na Prefeitura Municipal do Cantá, desde 2016, e me sinto privilegiada em poder contribuir para a promoção do turismo em meu município”, disse.

A coordenadora do curso de Tecnologia em Gestão de Turismo, professora Luciana de Souza Vitorio, ressalta o perfil do profissional formado pelo CBV. “Por meio de uma formação humanística, preparamos o profissional para atuar na área de gestão. A formação humanística é para que ele atue com responsabilidade social. Nosso principal foco é que ele trabalhe no planejamento, na organização e no gerenciamento de processos de trabalho na área do turismo. Essa qualificação auxilia na formação ética, democrática e justa, e também na capacidade de empreender, de comunicar e de liderar. A proposta é que também o egresso esteja aberto para as mudanças do mundo contemporâneo. Temos informações de egressos que atuam tanto na gestão pública municipal como na estadual, na rede hoteleira, nas operadoras de turismo local, e de outros que são inclusive microempresários, proprietários de agências de turismo, com foco na atividade receptiva, ou que trabalham com a venda de passagens aéreas”, relatou Luciana.

A professora destaca ainda o interesse de profissionais de outras áreas que estão se qualificando no IFRR, o que indica que o mercado do turismo é promissor. “Temos profissionais de diversas áreas cursando a pós-graduação em Gestão e Planejamento de Destinos Turísticos Sustentáveis, por exemplo, administração, geografia, jornalismo, economia e ciências sociais, que têm interesse em aprender um pouco mais sobre esse fenômeno social que é o turismo, com o intuito de agregar conhecimento e valor na área em que já atuam”, complementou.

Curso – O principal objetivo do curso de TGT é capacitar profissionais para o planejamento e a gestão de atividades turísticas relacionadas a hospitalidade, eventos, agenciamentos, transportes, meio ambiente e patrimônio cultural, divulgando e valorizando a cultura e os costumes da região, de modo a estimular o desenvolvimento local e regional, com visão global e sistêmica do processo e operacionalização da atividade turística.

Alguns alunos de TGT participam, nesta quarta-feira, 8, das 9h às 16h, no Palácio da Cultura, de programação organizada pela Secretaria Estadual de Planejamento e Desenvolvimento (Seplan), por meio do Departamento de Turismo, com o tema “Ser turista é ser cidadão”.

 

Virginia Albuquerque
CCS/Campus Boa Vista
8/5/19